Comissão Distrital da CDU

2015_pcppev_legislativas_2015

Considerando que a Lei Estatuto do Direito de Oposição nº 24/98 de 26 maio,  no seu Artigo 3º alínea 1 diz que “são titulares do direito de oposição os partidos políticos representados na Assembleia da República e que não façam parte do Governo, bem como os partidos políticos representados nas assembleias legislativas regionais e nos órgãos deliberativos das autarquias locais e que não estejam representados no correspondente órgão executivo.”

Considerando que no seu Artigo 5º na alínea nº3 diz “que os partidos políticos representados nos órgãos deliberativos das autarquias locais e que não façam parte dos correspondentes órgãos executivos, ou que neles não assumam pelouros, poderes delegados ou outras formas de responsabilidade directa e imediata pelo exercício de funções executivas, têm o direito de ser ouvidos sobre as propostas dos respectivos orçamentos e planos de actividade.

Considerando que o Artigo nº 10º na alínea 1 diz que “O Governo e os órgãos executivos das Regiões Autónomas e das autarquias locais elaboram, até ao fim de Março do ano subsequente àquele a que se refiram, relatórios de avaliação do grau de observância do respeito pelos direiros e garantias constantes da presente lei.

Considerando que na alínea 2 diz que “Esses relatórios são enviados aos titulares do direito de oposição a fim de que sobre eles se pronunciem.

Considerando que na alínea 3 também se diz “Ao pedido de qualquer dos titulares mencionados no número anterior podem os respectivos relatório e resposta ser objecto de discussão pública na correspondente assembleia.”

Considerando que no referido Artigo nº 10 na alínea 5 refere que “Os relatórios referidos nos números anteriores são publicados no Diário da República, nos jornais oficiais de ambas as Regiões Autónomas ou boletim municipal respectivo, conforme os casos.”

Assim o PCP conforme a Lei confere, vem requerer:

1 - Ao órgão executivo Câmara Municipal de Nelas, que lhe envie ou entregue os relatórios relativos aos anos de 2013, 2014, e 2015, para que possamos exercer a nossa função de pronunciamento conforme Artigo nº 10 alínea nº 2.

2 - Como titular do direito de oposição por está defenido no artigo nº 3 alínea 1, seja ouvido conforme é referido no Artigo 5º na alínea 3 sobre o orçamento e plano de actividades futuros.

3 - Que o executivo cumpra o direito de informação da referida Lei conforme é referido no Artigo nº 5 alínea 1 e 2.

Nelas, 28 de Abril de 2016

O Eleito da CDU

Manuel Fonseca

CDU Linha Voto 2015

O PCP levou à discussão na Assembleia da República um Projecto de Lei com vista à reposição de freguesias no quadro das próximas eleições autárquicas.

Com este Projecto de lei iniciou-se a discussão de reversão de uma medida da responsabilidade de PSD e CDS, amplamente contestada pela população e pela esmagadora maioria dos órgãos autárquicos.

Ao contrário do que o Governo PSD/CDS afirmava, a extinção de freguesias contribuiu para fomentar as assimetrias regionais já existentes, sobretudo nos territórios do interior. Muitas freguesias, onde a junta de freguesia era o último vestígio da presença do Estado, ficaram totalmente ao abandono.

Com a extinção de freguesias perdeu-se a proximidade! Perdeu-se representatividade política! Perdeu-se participação popular! Perdeu-se identidade cultural! Perdeu-se capacidade reivindicativa! Perguntamos, quais foram as vantagens? A resposta é fácil e a vida está aí para o demonstrar: nenhumas.

Na iniciativa do PCP, propomos que sejam repostas as freguesias onde os órgãos autárquicos tenham tomado posição contra a sua extinção. Propomos um procedimento para que os órgãos autárquicos que pretendam possam alterar a sua posição por intermédio dos seus órgãos deliberativos e propomos ainda a repristinação (reposição) da lei n.º 8/93, de 5 de março, que estabelece os critérios para a criação de freguesias.

A Associação Nacional dos Municípios Portugueses entendeu no seu Parecer dirigido ao parlamento acerca do Projeto de Lei do PCP “como adequados os objetivos e procedimentos consagrados no Projeto de Lei n.º 231/XIII, uma vez que se comete às populações, através da pronúncia dos órgãos deliberativos autárquicos, a possibilidade de proporem as soluções mais adequadas para os seus territórios em termos de organização territorial das freguesias.”

No concelho de Nelas foram extintas 2 freguesias: Aguieira e Moreira. Na esmagadora maioria dos casos as populações, os órgãos autárquicos e os seus titulares estiveram contra a extinção. Proibindo a Constituição o Referendo para estes casos, é tempo de ouvir os órgãos deliberativos autárquicos e através destes a vontade das populações.

Assim, lanço o desafio a todos os órgãos autárquicos envolvidos no processo de extinção/agregação de freguesias no Concelho de Nelas, para que estimulem a marcação de Assembleias de Freguesia Extraordinárias, nas quais seja possível a audição dos eleitos e das populações sobre a reposição das freguesias extintas. Proponho ainda que a Assembleia Municipal de Nelas, de acordo com o espirito do Projecto de Lei do PCP, não se oponha às deliberações que venham a ser tomadas, no sentido da reposição das anteriores freguesias do concelho.

O PCP foi contra e tudo fez para evitar a extinção de freguesias. Tudo faremos para que em 2017, com as eleições autárquicas, estejam já repostas as freguesias que o desejarem.

Nelas, 28 de Dezembro de 2016

O Eleito da CDU na Assembleia Municipal de Nelas

Manuel José Fonseca

Boletim CDU 13-10-2016

Boletim CDU 13-10-2016_1

 

Clicar nas imagens para ampliar

 

A CDU do Concelho de Armamar editou mais um Boletim (Outubro Novembro 2016), onde presta contas à população da actividade por si desenvolvida na Assembleia Municipal e traz à discussão pública problemas prementes que determinam a qualidade de vida dos armamarenses.

A falta de um Plano de Desenvolvimento a curto e a médio prazo, para o Concelho de Armamar, as tentativas de intimidação por parte do PSD, do eleito da CDU na AM, a “venda de um prédio a preço de saldo” pela Fundação Gaspar e Manuel Cardoso, a situação dos trabalhadores da empresa Fumados Douro, a luta isolada do PCP pela reabertura do Tribunal de Armamar, o péssimo estado das estradas do Concelho e os esgotos a céu aberto, culminando com a análise às contas obscuras da Empresa Municipal “Armamar Viva” e ao não cumprimento dos prazos de pagamento a que o PAEL (Programa de Apoio à Economia Local, negociado com o Governo devido ao excesso de dívidas da Câmara a fornecedores) obriga o Município, vêm tratados com verdade e frontalidade no Boletim CDU do Concelho de Armamar, que começou a ser distribuído às populações.

Viseu, 29/10/2016

O Gabinete de Imprensa da CDU Distrito de Viseu

A CDU (PCP-PEV) de Oliveira de Frades realizou ontem, dia 28 de setembro, uma visita às povoações da freguesia de Pinheiro, no âmbito da sua intervenção de proximidade. Como é habitual a CDU efetua regularmente visitas e contacto com os cidadãos, no sentido de transportar para a Assembleia de Freguesia de Pinheiro (realiza-se amanhã dia 30 de Setembro) e alertar para intervenção do executivo da Junta para os problemas que afetam a qualidade de vida das pessoas.

A maioria das situações, tais como o estado de degradação das estradas, caminhos, falta de valetas e limpeza das mesmas, referenciadas ontem pela população e observadas no local já haviam sido identificadas anteriormente pela CDU que já informou a junta de freguesia e a Câmara Municipal sem que até ao momento tenha havido qualquer tipo de intervenção eficaz.

Subcategorias