Comissão Distrital da CDU

pedropinanobrega

 

Na sessão da Assembleia Municipal de Penalva do Castelo realizada no dia 8 de Setembro, o eleito da CDU Pedro Pina Nóbrega apresentou um balanço do trabalho autárquico neste mandato, quer sobre a sua actividade, quer sobre a actividade dos dois órgãos municipais.

Carta Carregal 2.jpg

Carta Carregal 1.jpg

Clicar nas imagens para ampliar

Água_Pública

Na ausência de obras emblemáticas para inaugurar, o Presidente da Câmara de Viseu e a sua “máquina publicitária”, inventam catadupas de “anúncios” para ocupar o espaço mediático e gerar uma onda “virtual” de grande dinamismo.

É o caso da “Cerimónia de Assinatura do Protocolo de Cooperação para a Constituição de uma Empresa Intermunicipal de Água e Saneamento” entre vários municípios, que hoje terá lugar.

Vai assinar-se a constituição da “Empresa”? Não. Apenas um inócuo “Protocolo de Cooperação”.

Carta Vouzela 2017 1.jpg

Carta Vouzela 2017 2.jpg

Clicar nas imagens para ampliar

CDU Linha Voto 2015

Face ao que foi dito na última sessão, quer pelo Presidente da Mesa, quer pelo Presidente da Câmara, há dois pontos prévios a fazer:

Um, a forma como a Mesa da Assembleia continua, como lhe compete por lei, a analisar as propostas emanadas da Câmara Municipal, se é que o faz!!! Mais uma vez uma proposta sem fundamento legal que foi votada. Aliás neste mandato devemos bater o record de assuntos retirados da Ordem do Dia ou votados sem fundamento legal. A Mesa da Assembleia tão zelosa quando pedimos para inscrever um ponto na Ordem do Dia, demorou meses para o analisar, apesar de ser incompetente para isso. E quando é competente para analisar e verificar a legalidade do que é proposto pela Câmara Municipal não viu nada. Já estamos habituados, pois já não é a primeira vez. Senhor Presidente da Mesa, poderá novamente dizer que já está habituado a estas nossas observações recorrentes. Mas o problema é mesmo esse, é elas serem recorrentes, pois em quatro anos esta Mesa não teve emenda, e mais uma vez temos razão!!!

Outro ponto prévio, também a ver com a forma como o Presidente da Câmara trata os assuntos, sem ter conhecimento de causa. Se bem se lembra na última sessão disse que a minuta do contrato vinha da CIMVDL, que já tinha sido assinado em 12 de Novembro de 2014 e tinha o visto do Tribunal de Contas. Pois nem foi enviado pela CIMVDL, nem foi assinado em 12 de Novembro de 2014 e muito menos teve o visto do Tribunal de Contas. Então senhor Presidente leva um assunto a reunião de Câmara, remete à Assembleia e não sabe do que se trata? Não se prepara para as sessões da Assembleia Municipal? Ou acho que não é preciso?

Como aqui já referimos a Assembleia Municipal não é nem bengala nem chancelaria da Câmara Municipal, e a sua dignificação depende da postura correcta com que todos os intervenientes devem pautar a sua actuação.

Vamos então ao assunto propriamente dito, visto que na última sessão não ficámos esclarecidos.

O contrato assinado com a empresa prestadora dos serviços não é válido? Se é porque não se pode aplicar?

O regime dos sistemas municipais de recolha de RSU Indiferenciados não pode ser aplicado neste caso? E Porquê? Visto que prevê a gestão directa através de associações de municípios?

O que está verdadeiramente em causa na relação Municípios e a Planalto Beirão, para agora se levantar esta questão?

Penalva do Castelo, 08 de Setembro de 2017

Eleito da CDU na Assembleia Municipal de Penalva do Castelo

Pedro Pina Nóbrega

Autarquias 2017.jpg

Subcategorias